• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Calema, Conan Osíris e Soraia Tavares entre intérpretes do Festival da Canção 2019

21/01/2019 14:17

Calema, Conan Osíris, Ana Cláudia, João Dungo, Filipe Keil, Ela Limão, Soraia Tavares e Matay são os intérpretes da primeira semifinal do Festival da Canção 2019, cuja final decorre a 02 de março, em Portimão, foi hoje anunciado.

O anúncio foi feito hoje, numa conferência de imprensa em Lisboa, pelo presidente do conselho de administração da RTP, Gonçalo Reis.

Já a segunda semifinal, no dia 23 de fevereiro, terá como intérpretes Lara Laquiz, Madrepaz, Mariana Bragada, Dan Riverman, NBC, Mila Dores, Marlon e Surma.

Calema, Conan Osíris, Filipe Keil, Mariana Bragada, NBC e Surma interpretarão temas compostos pelos próprios.

Já Ana Cláudia interpretará um tema composto pelos D´Alva, João Dungo cantará a composição dos D.A.M.A, Ela Limão a de Flak, Soraia Tavares a de Lura e Matay a de Tiago Machado.

Na segunda semifinal, Lara Laquiz interpretará o tema composto por André Tentúgal, os Madrepaz o de Frankie Chavez, Dan Riverman o de Miguel Guedes, Mila Dores a composição de Rui Maia e Marlon a canção composta por Pedro Pode.

A primeira semifinal será apresentada por Tânia Ribas de Oliveira e Sónia Araújo, a segunda por Jorge Gabriel e José Carlos Malato, enquanto a final terá como apresentadores Filomena Cautela e Vasco Palmeirim.

A partir de hoje, os 16 temas concorrentes às duas semifinais estão disponíveis no ‘site’ da RTP em pequenos vídeos que incluem também a letra da canção.

Dos 16 compositores a concurso, 14 foram convidados pela RTP enquanto dois resultaram de concursos promovidos pela Antena 1, um deles através do programa “Masterclass” e aberto a quem não tenha até aqui música editada, o outro através de um concurso de livre submissão pública.

Portimão é a segunda cidade a acolher uma final do Festival da Canção, depois de Guimarães na edição de 2018, prosseguindo um desígnio de descentralização, referiu Gonçalo Reis.

“O papel da RTP também é mostrar que há valências dispersas pelo país com capacidade para acolher acontecimentos deste tipo”, justificou.

Reposicionamento de um produto “tradicional, que é uma imagem de marca da RTP, mas que foi alterado para muito melhor” é, também segundo Gonçalo Reis, outra marca do festival.

Tal como a “ambição”, referiu o administrador, exortando os participantes a prepararem uma candidatura para “ganhar” para assim Portugal poder equacionar “bisar e organizar o festival em 2020”.

Para as semifinais, a RTP convidou dois grupos para recuperarem canções do certame desde os anos 1960 até à atualidade.

Na primeira semifinal, o grupo convidado a alterar as canções foi o Cais do Sodré Funk Connection, enquanto as que serão cantadas na segunda semifinal são tratadas pela Kumpania Algazarra.

mapa do site

2010 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: New-Consulting