• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Vida selvagem sofreu declínio de 60% em pouco mais de 40 anos por culpa do homem

31/10/2018 00:02

O planeta perdeu em pouco mais de 40 anos 60% dos seus animais selvagens por culpa da ação humana, segundo um relatório do Fundo Mundial para a Natureza que revela um balanço alarmante.

O declínio da população de espécies de mamíferos, pássaros e peixes é, de ano para ano, cada vez mais alarmante, alerta a associação ambientalista que adiantou que entre 1970 e 2014 desapareceu 60% da vida selvagem do planeta.

“Preservar a natureza é muito mais do que simplesmente proteger tigres, pandas, baleias, sublinhou o diretor da WWF, Marco Lambertini, acrescentando, citado pela agência France Presse, que a questão “é bem mais vasta”.

“Não é possível um futuro são e próspero para os homens num planeta com um clima instável, oceanos esgotados, solos degradados, florestas esvaziadas, um planeta despojado da sua biodiversidade”.

O declínio da fauna abrange todo o globo, mas há regiões particularmente afetadas, como os trópicos, segundo os dados da 12.ª edição do relatório ‘Planeta Vivo’, publicado em conjunto com a Sociedade Zoológica de Londres e baseado no acompanhamento de 16.700 populações de quatro mil espécies.


A zona das Caraíbas/América do Sul revela um balanço assustador: menos 89% de espécimes em 44 anos.

A América do Norte/Gronelândia registou no mesmo período um declínio na fauna de 23% e a vasta área que abrange Europa/Norte de África/Médio Oriente registou uma quebra de 31%.

A destruição dos habitats naturais e a agricultura intensiva, assim como a extração mineira e a urbanização do território, que forçam a desflorestação e o esgotamento dos solos, são apontados como as principais causas para o problema.

No Brasil, por exemplo, onde acaba de ser eleito um presidente que não manifestou no seu programa eleitoral qualquer preocupação com a desflorestação nem com o aquecimento global, a floresta amazónica vai perdendo a guerra contra os lucros da exploração de soja e da criação de bovinos, refere a AFP.