• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Vitória de Guimarães com lucro de 300.000 euros na atividade do clube em 2017/18

06/10/2018 21:02

O Vitória de Guimarães apresentou um lucro de 300.000 euros e um passivo de 8,9 milhões em 2017/18, mostra o respetivo relatório e contas, que exclui a atividade do futebol profissional e de formação acima dos 11 anos.

O documento publicado no sítio oficial vitoriano, na sexta-feira, vai ser votado na assembleia geral de 13 de outubro e revela que o clube atingiu um saldo positivo de 1,3 milhões entre rendimentos e gastos, depois reduzido com encargos como juros e impostos.

As receitas diminuíram face à época passada - 5,3 milhões em 2016/17 -, variação que o relatório e contas justifica com a redução do lucro da SAD que gere o futebol profissional, dos 2,8 milhões para os 810.000 euros, de 2016/17 para 2017/18 - o clube detém 40% do capital social e a receita caiu dos 906.000 para os 326.000 euros.

Ainda no âmbito dos rendimentos, as vendas subiram dos 3,6 para os 4 milhões de euros, graças, em parte, ao aumento de 220.000 euros nas receitas com quotização e angariação de novos sócios.

Já os gastos subiram dos 3,4 para os 3,7 milhões de euros, devido à maior parcela de quotização entregue pelo clube à SAD, à subida de 15% do investimento nas modalidades, para um valor superior a 800.000 euros e à subida de gastos com pessoal, nomeadamente com o descongelamento das carreiras dos funcionários.

Já o passivo do clube caiu dos 9,9 milhões para os 8,9 milhões de euros ao longo da época passada, graças à redução de 500.000 euros na rubrica Financiamentos Obtidos, que respeita à dívida bancária, e de uma outra tanta quantia nos pagamentos ao Estado.

No texto escrito no relatório e contas, lê-se que o passivo já não é uma preocupação, por ter sido reduzido para valores controláveis - atingiu um máximo de 24 milhões, em 2011/12 - e por ter garantidas receitas recorrentes.

De 2016/17 para 2017/18, o ativo - total de bens e direitos do clube - caiu dos 35,8 para os 34,9 milhões de euros, enquanto o capital próprio aumentou 170.000 euros, para os 26 milhões.

O Conselho Fiscal emitiu um parecer favorável por unanimidade ao relatório e contas, considerando que os resultados apresentados permitem, no futuro, uma superior aposta no ADN desportivo do clube, consubstanciado em mais e melhores modalidades.