• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Caso de roubo e agressão a idoso que veio a morrer sentenciado no dia 17

12/07/2018 00:02

O Tribunal Judicial de Guimarães marcou para 17 de julho a leitura do acórdão de um jovem de Famalicão acusado de agredir e assaltar um idoso, que viria a morrer menos de um mês depois.

O jovem, que na altura dos factos tinha 17 anos, está acusado de um crime de roubo, agravado pelo resultado morte.

No processo, é também arguida a mãe do jovem, acusada de um crime de recetação, por alegadamente ter vendido o ouro que o filho roubou ao idoso.

Nas alegações finais, o procurador do Ministério Público limitou-se a pedir “justiça”, enquanto os advogados de defesa pediram a absolvição.

Os factos remontam à madrugada de 19 de outubro de 2016, na casa de um homem de 85 anos, no centro de Vila Nova de Famalicão.

Segundo a acusação, o idoso foi agredido com um barrote de madeira na cabeça e bateu contra uma lareira, acabando por morrer cerca de um mês depois.

Na altura, ter-lhe-ão roubado cerca de 885 euros em notas e objetos em ouro que alegadamente foram vendidos no dia seguinte pela mãe do jovem arguido, numa loja especializada, por 2.950 euros.

Em julgamento, o jovem negou a autoria do crime, alegando que na altura estava a dormir.

A mãe não prestou declarações.

O caso foi inicialmente investigado pela PSP e arquivado, mas acabaria por ser reaberto, depois de uma denúncia anónima que apontava uma sobrinha da vítima como sendo a autora do crime.

Face a essa denúncia, o Ministério Público pediu a exumação do cadáver da vítima, para autópsia.

A investigação concluiria que o autor do crime foi um jovem vizinho.

A advogada de defesa do jovem alegou hoje que a autópsia foi “inconclusiva” quanto às causas da morte.

Alegou ainda que não há qualquer prova de que o jovem tenha sido o autor do assalto e, consequentemente, das agressões.

Já o advogado da mãe defendeu que não é possível provar que tenha sido a arguida a vender o ouro, apesar de terem sido usados os seus documentos pessoais.