• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Raul Brandão é mote de ciclo que abre em junho

30/05/2018 15:42

O escritor Raul Brandão (1867-1930), autor de “Húmus”, “tem encontrado novos leitores” e é mote de um ciclo que se inicia em junho, disse à agência Lusa José Manuel Mendes, presidente da Associação Portuguesa de Escritores (APE).

O ciclo, em três etapas, desenvolve-se entre 18 de junho e 10 de julho, período durante o qual vai ser abordado o seu percurso de vida e literário, as referências cinematográficas da sua obra e a produção teatral de Raul Brandão, autor de peças como “O Doido e a Morte” e “O Gebo e a Sombra”.

“Raul Brandão tem vindo a ser reeditado, tem encontrado novos leitores, e o período de limbo que viveu até há uns anos tem vindo a ser superado, até por mérito de alguns académicos e professores universitários, que a ele têm regressado com teses assombrosas”, disse José Manuel Mendes, que citou a tese de doutoramento de Maria João Reynaud, que qualificou como “verdadeiramente inovadora e muito forte”.

Para este responsável, “é fundamental que escritores extraordinários como Raul Brandão”, sejam lembrados e a sua obra debatida “além das datas comemorativas redondas”, como aconteceu no ano passado, por ocasião do seu 150.º aniversário do autor de “Os Pescadores”.

Este ciclo, uma iniciativa da APE, é coordenado por Luís Machado, que à Lusa adiantou que a primeira etapa, no dia 18 de junho, acontece na Academia das Ciências de Lisboa, e se intitula “Três Olhares Sobre a Vida e a Obra de Raul Brandão”, com António Valdemar, que falará sobre o tema “da Foz do Douro à Academia das Ciências”, depois terá lugar um segundo olhar, de Isabel Cristina Mateus, intitulado “Sobre o Muro, o Espanto: Húmus e Grotesco em Raul Brandão”, e um terceiro, de José Manuel Vasconcelos, que falará sobre “o escritor e a literatura europeia”.

A segunda etapa realiza-se em 03 de julho, na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, em que serão abordadas as várias adaptações feitas de obras de Raul Brandão ao cinema, das quais Luís Machado destacou “O Gebo e a Sombra”, de Manoel de Oliveira, bem como a série “As Ilhas Desencantadas”, de Vicente Jorge Silva, e ainda “dois ou três bons documentários, nomeadamente, o de João Canijo, ‘Raul Brandão era um bom escritor’, um de António Faria, um programa do [historiador] José Hermano Saraiva, e o filme ‘Cinzas’, do Luís Filipe Rocha”.

Esta sessão na Cinemateca conta com a participação do crítico cinematográfico João Lopes e das atrizes Maria Amélia Matta, que encarnou a personagem ‘Sofia’ na peça “O Gebo e a Sombra”, em 1985, no teatro, e Leonor Silveira, que encarnou a mesma personagem no filme de Manoel Oliveira.

Nesta sessão serão exibidos o documentário de João Canijo e a longa-metragem de Manoel de Oliveira.

Na opinião de Luís Machado, uma das facetas mais esquecidas de Brandão, e que “urge reativar”, é a de dramaturgo e justificou: “‘O Gebo e a Sombra’, a sua obra mais emblemática, não tem conhecido grandes reposições, a última vez terá sido em 1985, no Teatro Nacional D. Maria II”, com Rogério Paulo, Eunice Muñoz, Carlos Daniel, Barroso Lopes, Fernanda Alves e Maria Manuela Matta.

A terceira etapa, no dia 10 de julho, intitula-se “Raul Brandão, Viagem pelo Teatro”, e realiza-se no Teatro Nacional D. Maria II, sendo protagonizada por Maria Helena Serôdio, e alguns atores lerão excertos do III ato de “O Gebo e a Sombra” e farão a leitura completa da farsa “O Doido e a Morte”.

Para o presidente da APE, Raul Brandão “é alguém que começa a superar a névoa do esquecimento”. José Manuel Mendes realçou que “é um escritor extraordinário, que acabou por ter uma influência decisiva em todas as gerações que lhe seguiram, independentemente das escolas [literárias] que pudessem estar a constituir-se nos diferentes tempos”, referindo a importância que o escritor teve junto de autores de correntes como o neorrealismo ou o surrealismo e que “foi um precursor de imensas coisas”.

Mendes defendeu que Raul Brandão, militar de carreira e defensor dos ideais republicanos, “tem um lugar muito singular na literatura portuguesa”.

Raul Brandão nasceu na Foz do Douro, no Porto. Depois de uma curta passagem como “ouvinte” pelo curso de Letras do Porto, matriculou-se na Escola do Exército e seguiu, a contragosto, como fez notar Luís Machado, carreira militar, especialmente nos gabinetes do então Ministério da Guerra.

Paralelamente, publicou ficção e colaborou no semanário O Micróbio e nas revistas Brasil-Portugal, Revista Nova, Serões e na Homens Livres, já no final da vida.

Tendo sido destacado para o Regimento de Infantaria 20, em Guimarães, acabou por ali casar e estabelecer residência, na Nespereira, nos arredores da cidade, tendo-se ao longo da vida deslocado aos Açores e feito prolongadas estadas em Lisboa, até por compromissos literários.

A sua estreia literária foi em 1890, com “Impressões e Paisagens”. Entre outros títulos, como “O Avejão”, peça de teatro publicada em 1929, publicou com Teixeira de Pascoaes, em 1917, “Jesus Cristo em Lisboa”.