• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Primeiro-ministro peruano entre os milhares de pessoas que marcharam contra o aborto

06/05/2018 09:42

Milhares de pessoas marcharam no sábado na capital do Peru contra o aborto, numa grande manifestação promovida pela Igreja Católica e grupos evangélicos e na qual participaram o primeiro-ministro, César Villanueva, e o presidente do Congresso, Luis Galarreta.

A sexta edição da “Marcha pela Vida” percorreu a avenida Brasil, uma das principais vias de Lima, do centro da cidade até à Costa Verde, onde foi colocado um palco para um espetáculo musical e para os discursos antiaborto dos promotores da concentração.

Na marcha sobressaíram o azul e rosa, cores que distinguem a plataforma “Com os meus filhos não mexes”, que agrega grupos sociais, na sua maioria evangélicos, que mantêm uma campanha contra a abordagem da igualdade de género na educação peruana.

Na iniciativa foi dado a conhecer o “Manifesto pela vida, a família e os valores do Peru”, fundamentado no direito à vida.

Nesse momento, uma jovem, envolta na bandeira do país, simbolizou o desejo de “um Peru soberano e livre, onde a maior parte da população quer viver em paz, respeitando o primeiro direito de todos, o direito inalienável da vida, começando nos mais indefesos”.

Horas antes da mobilização, o cardeal peruano e arcebispo de Lima, Juan Luis Cipriani, principal promotor da marcha, assegurou no seu programa de rádio que esta concentração é “uma celebração da vida”, exortando os defensores do aborto a tirar a sua vida se não estiverem a favor dela.

“Se não concordas com a vida, suprime a tua”, disse o arcebispo, referindo que, na sua opinião, “os defensores do aborto não podem decidir por uma vida de um bebé por nascer”.

No Peru, o aborto é aceite se a gravidez colocar em causa a vida da mulher, tendo o parlamento arquivado em 2014 um projeto de lei que propunha a aprovação do aborto em casos de violação.