• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Hugo Soares acusa direção da bancada do PSD de “falha grave” na despedida de Montenegro

05/04/2018 21:42

O anterior líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, acusou hoje a direção da bancada de “falha grave” por não ter usado da palavra na ronda de intervenções de despedida a Luís Montenegro, crítica partilhada por outros deputados da bancada.

Numa troca de e-mails a que a Lusa teve acesso, o deputado e anterior vice-presidente da bancada do PSD Miguel Santos foi o primeiro a levar o assunto, mas outros como Marques Guedes e Paula Teixeira da Cruz também se associaram, embora com destinatários diferentes nas críticas.

Contactado pela Lusa, o líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, escusou-se a comentar o conteúdo dos e-mails trocados, mas afirmou que fez hoje em relação a Luís Montenegro “rigorosamente o mesmo” que tinha feito no momento da saída do ex-líder do PSD Pedro Passos Coelho do parlamento.

Num e-mail com o assunto “Plenário - despedida do Luís Montenegro”, enviado a todos os deputados do PSD perto das 19:00, Miguel Santos diz ver “com lamento e tristeza” que, no momento da saída de Montenegro, “o elogio tenha surgido somente da parte do líder parlamentar do CDS”.

O deputado recorda “o costume” em que todos os grupos parlamentares proferiam habitualmente algumas palavras, apontando o exemplo da saída do deputado do PCP Honório Novo em que todas as bancadas, incluindo o PSD, fizeram intervenções.

Na mesma linha, outro ex-líder parlamentar do PSD Luís Marques Guedes enviou também um e-mail, no qual lamentou que também tenha sido assim na despedida de Pedro Passos Coelho do parlamento.

“No parlamento, o respeito pelos adversários não é mais uma cortesia, é antes uma regra básica de elevação democrática, por estes tempos tão em desuso. É mais um exemplo de uma boa praxe parlamentar que esta esdrúxula legislatura atira para o lixo. Lamentável”, critica.

Por volta das 20:00, Hugo Soares lamentou também o comportamento das restantes bancadas, à exceção da do CDS, recordando que Montenegro foi deputado 16 anos e líder parlamentar do PSD por sete.

“Mas não posso deixar de dizer que a causa da minha indignação interior não se prende com o comportamento dos nossos adversários; antes considero uma falha grave do grupo parlamentar do PSD não ter usado da palavra naquela circunstância e momento como se impunha. Hoje, e pela primeira vez, eu (e seguramente muitos colegas) não me senti representado com tamanha distração”, afirma.

Também a ex-ministra Paula Teixeira da Cruz respondeu em tom crítico, lamentando o que chamou de “falta de reconhecimento” e “falta de respeito por quem soube unir uma bancada parlamentar”.

Paula Teixeira da Cruz disse ainda lamentar que o reconhecimento “tenha vindo de outros”, mais do que de quem deveria representar os deputados do PSD.

“A grandeza mede-se nos momentos difíceis. Não a vi”, refere.

Antes da abertura da sessão de hoje, dedicada ao debate quinzenal com o primeiro-ministro, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, destacou a cordialidade de Luís Montenegro e desejou-lhe os maiores sucessos a “nível pessoal, profissional e político”.

Em seguida, apenas usaram da palavra o Luís Montenegro e o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães.

O líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, viria a referir-se brevemente à saída de Montenegro já durante o seu tempo de intervenção no debate quinzenal para lhe endereçar “um grande abraço de amizade” e desejar-lhe “as maiores felicidades pessoais e profissionais”.