• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Dhlakama reaparece e anuncia acordo com Frelimo para eleição de governadores provinciais em Moçambique

23/09/2017 21:57

O presidente da Renamo, Afonso Dhlakama, fez hoje a sua primeira aparição pública desde há ano e meio e anunciou já ter acordo com a Frelimo, partido no poder em Moçambique, para a eleição dos governadores provinciais.

Pela primeira vez, a Frelimo concordou e disse sim, haverá eleição de governadores nas eleições gerais de 2019, referiu o líder do principal partido da oposição, citado pelo portal do jornal O País e em declarações transmitidas pelo canal de televisão STV.

É um acordo entre Dhlakama e [o Presidente da República] Nyusi, que dirige também a Frelimo, acrescentou.

Afonso Dhlakama discursava durante uma reunião da comissão política da Renamo na serra da Gorongosa, onde se encontra refugiado.

O líder da oposição referiu que, graças ao acordo, o projeto de descentralização da Renamo deverá ser aprovado quando chegar à Assembleia da República, onde a Frelimo tem maioria.

Conseguimos. Em 2019 teremos governadores eleitos, da Renamo, Frelimo, MDM ou se calhar de outros partidos, faltando definir se a eleição será feita por voto direto ou por assembleia, referiu.

O presidente da Renamo disse ainda que continua a ser discutida a despartidarização das Forças Armadas de Defesa de Moçambique e a integração dos homens da Renamo nas suas fileiras.

Queremos que os nossos comandos militares sejam enquadrados nos lugares de chefia. O exército deve ser neutro. Não deve pertencer nem à Renamo, nem à Frelimo e nem a qualquer outro partido, referiu.

Dhlakama terminou o discurso garantindo que continuará a manter contactos com o Presidente da República para que se alcance um acordo de paz entre Governo e Renamo e exprimiu um desejo: gostaria de governar, com democracia, mesmo que fosse por um mandato, como fez Mandela e depois deixar a tarefa para os jovens.

Apesar de Governo e Renamo terem assinado em 1992 o Acordo Geral de Paz, e um segundo acordo em 2014 para a cessação das hostilidades militares, Moçambique vive ciclicamente surtos de violência pós-eleitoral, devido à recusa do principal partido da oposição em aceitar os resultados, alegando fraude.

Em maio, o líder da Renamo anunciou uma trégua nos confrontos com as FDS por tempo indeterminado, após contactos com o chefe de Estado moçambicano.

mapa do site

2010 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: New-Consulting