• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Milhares de professores ainda por colocar nas escolas - Fenprof

01/09/2017 15:42

O secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) disse esta sexta-feira que ainda falta colocar nas escolas milhares de professores, continuando por preencher mais de cinco mil horários, entre completos, incompletos, anuais e temporários.

Em conferência de imprensa, o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, acusou o Governo de não resolver o “gravíssimo problema do desemprego de professores” uma vez que a 01 de setembro, uma semana antes do início das aulas, há 31.102 docentes não colocados.

“Este é o número de professores e educadores que, neste momento, estarão no desemprego, o que não deixará de se refletir nas variações de desemprego no país, quebrando a rota descendente a que vínhamos assistindo. Continua a verificar-se, em Portugal, um gigantesco desperdício de qualificações”, disse Mário Nogueira.

O ano letivo 2017/2018 inicia-se entre 08 e 13 de setembro e a Federação Nacional dos Professores considera que será “um ano muito exigente em que o Governo e a equipa ministerial deverão mostrar o que realmente valem”.

No ano letivo passado, segundo Mário Nogueira, o Ministério da Educação colocou, no âmbito da contratação inicial, 7.305 docentes, dos quais 4.673 em horários incompletos enquanto este ano “apenas colocou 2.365 docentes, todos em horários completos”.

“Esta redução nas contratações terá ficado a dever-se ao facto de terem ingressado nos quadros um pouco mais de 3.400 professores, número que, ainda assim, é bastante curto, face ao elevado nível de precariedade que existe”, referiu o sindicalista.

Mário Nogueira acrescentou que as colocações que tiveram lugar há uma semana revelaram outros problemas, entre os quais, um aumento significativo do número de docentes dos quadros em “horário-zero”.

“Em 1 de setembro de 2016, após as colocações através da mobilidade interna, tivemos 1.572 docentes dos quadros sem colocação. Este ano, no mesmo dia, temos 2.352 docentes dos quadros sem colocação, o que significa um aumento de 49,6%”, frisou.

Os grupos de recrutamento mais afetados, explicou Mário Nogueira, são os de Educação Especial, Educação Visual e Tecnológica, Educação Musical do 2º ciclo, Educação Tecnológica, Português 3º. Ciclo e secundário, Inglês 3.º ciclo e secundário, Biologia e Geologia 3.º ciclo e secundário, Português e Estudos sociais/História do 2.º ciclo, Educação Física 3.º ciclo e secundário e Físico-Química do 3º ciclo e secundário.

Relativamente às colocações de docentes dos quadros no âmbito da mobilidade interna, a Fenprof considera que o concurso “está manchado de injustiças” por o Ministério da Educação ter decidido, sem aviso prévio, não colocar docentes em horários incompletos.

A Federação Nacional dos Professores defende a retirada das listas de mobilidade interna publicadas, substituindo-as por outras que também incluíssem os horários incompletos.

Mário Nogueira disse ainda que relativamente aos docentes com horários completos, o Ministério da Educação esta a colocar atividades letivas na componente não letiva dos docentes.

A Fenprof, adiantou, tenciona discutir em reunião de secretariado nacional a possibilidade de um pré-aviso de greve para todo o ano letivo a todas as atividades letivas distribuídas na componente não letiva.

Durante o ano letivo que se iniciará a Fenprof garante que os docentes lutarão por medidas que beneficiem as escolas e o sistema, tais como a gestão democrática das escolas, o início da desagregação dos mega-agrupamentos ou uma significativa redução do número de alunos por turma, arrancando esta luta com uma campanha intitulada “valorizar a educação e os seus profissionais 2017/2018: tempo de resolver problemas”, com a realização a 04 de outubro, em Lisboa, de um plenário nacional.

mapa do site

2010 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: New-Consulting