• Correio do Minho
Correio do Minho

Correio do Minho

Formulário de pesquisa

Leitura partilhada de Húmus de Raul Brandão e Herberto Helder no Dia do Livro

21/04/2017 15:42

O Teatro Nacional São João (TNSJ), no Porto, vai assinalar o Dia Mundial do Livro, que se assinala no próximo domingo, com sessões de leitura partilhada de obras dos escritores Herberto Helder e Raul Brandão.

O TNSJ propõe uma leitura partilhada de Húmus de Herberto Helder, bem como de excertos da obra homónima e original de Raul Brandão, que terá lugar a partir das 14:30 no Teatro Carlos Alberto (TeCA).

Esta iniciativa antecipa a última récita de E-nxada, espetáculo em cena no TeCA, que remete para a ruralidade, a sua desconstrução e imaginário sob um ponto de vista urbano e contemporâneo, explica o TNSJ, em comunicado.

As leituras visam explorar “a relação dualista destes autores presentes no Plano Nacional de Leitura”, e serão partilhadas por Ana Mafalda Pereira, Nuno M. Cardoso e Rita Pinheiro.

“Húmus”, considerada por muitos críticos a obra-prima de Raul Brandão, foi escrito durante a primeira Grande Guerra e foi publicado pela primeira vez no ano da Revolução Russa (1917).

Trata-se de um romance-monólogo, centrado em dois monólogos interiores, entre o narrador, sem nome, e o seu alter-ego, um filósofo lunático chamado “Gabiru”, em que ambos registam a vida de uma pequena vila, ao longo de um ano, explorando a contradição entre o mundo aparente e o autêntico.

Esta obra tem originado diversas interpretações por parte da crítica literária, que tanto a enquadra no Simbolismo como no Expressionismo, e tem despertado a admiração de vários escritores portugueses, entre os quais Herberto Helder, que, em 1967, escreveu o poema-montagem “Húmus”, uma reescrita do romance homónimo de Raul Brandão, com recurso apenas a palavras retiradas do original.

Quanto à E-nxada, trata-se de uma investigação artística, dirigida a todos os públicos, sobre os dualismos rural/urbano e passado/presente, que reflete o que fomos e o que somos, que conta com direção artística e conceção plástica de Vasco Gomes e Julieta Guimarães.

O conceito do espetáculo parte da ferramenta ancestral – a enxada, enquanto o símbolo de trabalho primário – e junta objetos do nosso eletrónico quotidiano, num contraponto irónico, explica o TNSJ.

mapa do site

2010 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: New-Consulting